A minha Maysa agora é de todo mundo

Maysa é minha cantora preferida desde criança. Minha avó Ondina tinha os discos todos dela e eu achava o máximo aquela mulher de atitude misteriosa, delineador nos olhos verdes, o cabelo arrumado feito juba de leoa! (isso é um elogio imenso pq eu gostaria de me pentear assim hoje em dia). Pois foi esse visual que me atraiu primeiro. As capas dos discos me enfeitiçaram. E foi por isso mesmo que com uns 7 anos pedi de aniversário um disco dela de presente.

Ah….mas tinha a música! e aí fui aprendendo as canções. Confesso que “Meu mundo caiu” sempre está na minha cabeça como quote of the day. Quando é que o mundo da gente não cai hein? Pois é isso mesmo “Se meu mundo caiu \ Eu que aprenda a levantar”. Guarde essa pra a você!

Essa tendencinha minha ao que o senso-comum chama de ‘fossa’ mas que eu chamo de ‘meu momento comigo’ existe desde de que sou pequenina. Sempre andei com caderninhos pra lá e pra cá, escrevendo diarinhos, poeminhas e musiquinhas no diminutivo.  Graças ao bom-senso nunca me aventurei a cantar nada pois sei a voz e ouvido que tenho.

Outra coisa que somente hoje percebo no comportamento de Maysa é uma característica que tenho em alternar momentos muito introspectivos com outros de extroversão além dessa sede imensa de viver DEMAIS.

Quando minha avó estava viva nunca tive maturidade nem visão sulficiente para agradecê-la por formar meu gosto musical e cultural e por compartilhar tanta coisa boa comigo. Realmente agradeço a ela por ter me ensinado que ninguém interpreta uma canção como Maysa e que nenhuma mulher ever escreveu letras tão pungentes como ela…

Dona Ondina ia amar assistir comigo a minissérie.  Acho muito interessante ver algumas pessoas descobrindo e se apaixonando por Maysa e outras a julgando implacavelmente como sempre fazem os juizes sociais de plantão… Eu estava na praia nos primeiros capítulos e minha surpresa mais bacana foi ver no dia seguinte da estréia na Pousada Porto Imperial em Paraty a suíte Maysa. (viu a foto q fiz!?)

Ah…eu ganhei o tal disco Convite para ouvir Maysa nº3 da minha avó e deu no que deu… eu cada dia que passa acho que essa vida agitada não serve mesmo pra nada!

Bookmark and Share

2 comments ↓

#1 Marina Novaes on 01.16.09 at 5:36 am

Boas estas influências que a gente tem na infância, que vão marcando a vida da gente. Comigo, ao invés da vó Ondina, era a tia Luciana, e no lugar da espetacular Maysa, a outra espetacular Rita Lee. Hoje, nos momentos de tristeza, sempre surge um mantra como: “águas vão rolar Não vou chorar Se por acaso morrer do coração É sinal que amei demais Mas enquanto estou viva Cheia de graça Talvez ainda faça Um monte de gente feliz!”

#2 Rico E on 01.18.09 at 12:10 pm

Li,
Ouvir Maysa é saber escutar o coração, de uma mulher que soube amar como ninguém!
Dê um pulinho no meu blog, fiz uma postagem sobre Maysa.
Besos,
Rico E

Leave a Comment